CONVIDADOS

Foto: Rodrigo Cabrita

ANA MARQUES GASTÃO (Portugal)

Ana Marques Gastão (n. 1962), poeta, jornalista cultural, crítica literária, adjunta de direcção da revista Colóquio-Letras da Fundação Calouste Gulbenkian. Advogada, licenciada em Direito pela Universidade Católica Portuguesa. Escreveu Tempo de Morrer, Tempo para Viver (1998), Terra sem Mãe (2000), Três Vezes Deus, em co-autoria com António Rego Chaves e Armando Silva Carvalho (2001), Nocturnos (2002) e Nós/Nudos, 25 poemas sobre imagens de Paula Rego – versão bilingue português/castelhano, traduzida por Floriano Martins (Prémio Pen Clube Português de Poesia 2004, ex-aequo). Nós/Nudos foi publicado em França com o título Noeuds (2007) com tradução de Catherine Dumas. Editou no Brasil a antologia A Definição da Noite (2003). Lápis mínimo é o seu último livro (2008). Integra várias antologias de poesia contemporânea, participou em diversos festivais internacionais e tem sido membro de júris de prémios no domínio do romance, da poesia e do ensaio como os da Associação Portuguesa de Escritores. Alguns dos seus poemas estão traduzidos para castelhano, catalão, francês, inglês, alemão e romeno.

AURELINO COSTA (Portugal)

Nasceu em Argivai, Póvoa de Varzim / 1956. Poeta e diseur, licenciado em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra. Obras: Poesia Solar, Ed. Orpheu. Lisboa/92; Na Raiz do Tempo, Ed. Tema. Dep. Literário da Soc. Guilherme Cossoul. Lisboa/2000; Pitões das Júnias,- com ilustrações de  Anxo Pastor- Ed. Fluviais/Lisboa & Galeria Arcana/Pontevedra/2002; Amónio, Ed. Do Buraco. Dep. Literário da Soc. Guilherme Cossoul. Lisboa/2003, 2ª edição (bilingue, castelhano-português) tradução de Sílvia Zaias, ed. Amalaia, Léon 2006; Na Terra de Genoveva, Ed. do Buraco. Dep. Lit. da Soc. Guilherme Cossoul. Lisboa/05. Participou também de diversas antologias de poesia.

Discografia: Na Voz do Regresso, Ed. Comemorativa do Centenário de Nascimento de José Régio; Ed. Câmara Municipal da Póvoa de Varzim, com o Maestro António Victorino D’Almeida/2001; Confluência CD – Áudio, Ed. Asa/2002;CD-MIGUEL TORGA/POESIA.ed.Numérica,2010. Colaboração/narração em “Miguel Cervantes & las Músicas del Quixote”, com Hespérion XXI, sob a direcção de Jordi Savall /2006; colaboração/diseur em  Recital “Música e Poesia”, com António Saiote(clarinete) e Iwona Saiote (flauta); Participação/diseur nos filmes “Olhar Coimbra” e “Olhar o mar”, Produções da Didacthèque de Bayone, com apoio da Comunidade Europeia (programa língua).1993/1995. Cinema: actor em “Netto e o domador de cavalos”, de Tabajara Ruas, Rio Grande do Sul/Brasil/2008 Televisão: colaboração nas séries “Pianíssimo”, 2006, e “Sons do Tempo”,2008-RTP1, de António Victorino D’Almeida.

CASIMIRO DE BRITO (Portugal)

Nasceu em Loulé, em 1938. Publicou mais de 50 títulos, em Portugal e no estrangeiro. Dirigiu revistas literárias, entre elas, Cadernos do Meio-Dia e Loreto 13 (órgão da APE). Representado em 180 antologias e traduzido em 26 línguas. Actividade internacional intensa: leituras, festivais, conferências. Foi presidente da Association Européenne pour la Promotion de la Poésie e do P,E,N, Clube Português e é conselheiro da Associação Mundial de Haiku, de Tóquio. Tem traduzido poesia de várias línguas, sobretudo do japonês. Recebeu diversos prémios, entre eles o primeiro Prémio Internacional de Poesia Leopold Sédar Senghor, 2002, pela sua carreira literária, atribuído pela Académie Mondiale de Poésie (da Fundação Martin Luther King).  Em 2008 foi agraciado pela Presidência da República com a Ordem do Infante D. Henrique.


CATARINA NUNES DE ALMEIDA (Portugal)

Nasceu em Lisboa em 1982. É licenciada em Língua e Cultura Portuguesa pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Nos últimos anos foi docente na Universidade de Pisa, em Itália. Publicou duas obras de poesia: Prefloração (2006) – obra vencedora do Prémio de Poesia Daniel Faria e do Prémio do P.E.N. Clube Português para a Primeira Obra; e A Metamorfose das Plantas do Pés (2008) – obra que publicou simultaneamente em Portugal e Itália. Prepara uma Tese de Doutoramento sobre a poesia portuguesa contemporânea e as estéticas orientais na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (Universidade Nova de Lisboa).

CLAUDIO DANIEL (Brasil)

Claudio Daniel, pseudônimo de Claudio Alexandre de Barros Teixeira, é poeta, tradutor e ensaísta. Mestre em Literatura Portuguesa pela Universidade de São Paulo (USP). Publicou, entre outros títulos, os livros de poesia Sutra (1992), Yumê (1999), A sombra do leopardo (2001), Figuras Metálicas (2005), Fera Bifronte (2009), que recebeu a bolsa de criação literária da Funarte em 2008, e Letra Negra (2010). No campo da ficção, publicou o livro de contos Romanceiro de Dona Virgo (2004). É editor da revista de poesia e debates Zunái (www.revistazunai.com) e organizou festivais e eventos literários, entre eles o Tordesilhas, Festival Ibero-Americano de Poesia, realizado em São Paulo em 2007, e o Artimanhas Poéticas, realizado no Rio de Janeiro em 2009. Como tradutor, publicou a antologia Jardim de camaleões, a poesia neobarroca na América Latina (2004), além de livros do poeta argentino Reynaldo Jiménez, do uruguaio Victor Sosa e do cubano José Kozer, entre outros. Em 2005, lançou a antologia Ovi-Sungo, 13 Poetas de Angola.

DELMAR MAIA GONÇALVES (Moçambique)

Delmar Maia Gonçalves nasceu a 5 de Julho de 1969 em Quelimane, na República de Moçambique. Poeta, escritor, professor, animador cultural, declamador, divulgador e contador de histórias, desde o tempo dos estudos secundários e superiores universitários, que percorre escolas e comunidades de leitores. Defensor da solidariedade genuína e da utopia, cidadão do mundo desde sempre e enquanto existir. O autor foi premiado com o Prémio Português de Literatura Juvenil Ferreira de Castro em poesia, em 2006 com o prémio de literatura África Today e foi distinguido na 1ª Gala da Casa de Moçambique com o prémio Kanimambo em 2008.

Livros Publicados: Moçambique Novo, o Enigma – Editorial Minerva – Junho 2005; Moçambiquizando – Editorial Minerva – Março 2006; Afrozambeziando Ninfas e Deusas – Edições MIc, Junho de 2006; Mestiço de Corpo Inteiro – Editorial Minerva, Novembro de 2006.

EDUARDO JORGE (Brasil)

Nasceu em Fortaleza, Brasil, em 1978. Publicou San Pedro (2004), Espaçaria (2007) e Caderno do Estudante de Luz (2008). Realizou em vídeo San Pedro (video-dança) e Caderno do estudante de luz (instalação). Vive em Belo Horizonte, Minas Gerais. Publicou poemas e ensaios no Suplemento Literário de Minas Gerais, Inimigo Rumor, Modo de Usar, Zunái (Brasil) e Quimera (Espanha). Participou das antologias Poesia brasileira do início do terceiro milénio (Portugal) e Tirgertail, A South Florida Poetry Annual (EUA).

HORÁCIO COSTA (Brasil)

Horácio Costa (São Paulo, 1954). Formado em Arquitetura e Urbanismo pela USP, fêz mestrado e doutoramento em Letras nos Estados Unidos. Foi Professor Titular na Universidad Nacional Autónoma de México e leciona na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP desde 2001. Teve nove livros de poesia publicados no Brasil e sete no exterior, dos quais “Ravenalas” (São Paulo, Sêlo Demônio Negro, 2008) e “Fracta-Antología Poética” (México, Fondo de Cultura Económica, 2009), são os mais recentes. Traduziu Elizabeth Bishop, Octavio Paz, César Vallejo, José Gorostiza e Xavier Villaurrutia ao português e tem livros de crítica literária publicados no Brasil e no exterior, entre os quais “Mar Aberto – literatura brasileira, portuguesa e hispanoamericana”, que se encontra no prelo em São Paulo (Lumme, 2010). Foi presidente da Associação Brasileira de Estudos da Homocultura-ABEH, tendo realizado o seu IV congresso, cujas atas (“Retratos do Brasil Homossexual”) também serão proximamente publicadas (São Paulo, EDUSP/Imprensa Oficial, 2010).

JOÃO MIGUEL HENRIQUES (Portugal)

João Miguel Henriques nasceu em Cascais, em 1978. Estudou Literatura em Lisboa, Jena (Alemanha) e Edimburgo (Escócia). É doutorando de Literatura Portuguesa na Faculdade de Letras de Lisboa, cidade onde trabalha também como tradutor. Estreou-se em poesia com O Sopro da Tartaruga (2005) e em 2007 participou no Tordesilhas, Festival Ibero-Americano de Poesia Contemporânea, realizado em São Paulo. Publicou recentemente os volumes Também a Memória É Algum Conhecimento (2009) e Entulho (2010), para além de outras participações em revistas de poesia e publicações online. Mantém desde finais de 2003 o blogue Quartos Escuros www.quartosescuros.blogspot.com.

JORGE ARRIMAR (Angola)

(em construção)

JORGE MELÍCIAS (Portugal)

Jorge Melícias nasceu em 1970. Autor dos seguintes livros de poesia: aqueles que incendeiam os telhados – 1996/1998 – (inédito); iniciação ao remorso (2004, 2ª ed., Cosmorama); a luz nos pulmões (2000, Quasi); o dom circunscrito (2003, Quasi); incŭbus (2004, Quasi); a longa blasfémia (2006, Objecto Cardíaco); disrupção – 1998/2008 – (poesia reunida), (2008, Cosmorama) e agma (a sair em 2010). Foi-lhe atribuída, ao longo do ano de 2002, uma bolsa pelo Ministério da Cultura e Instituto Português do Livro e das Bibliotecas da qual resultou o livro o dom circunscrito. Poemas seus encontram-se traduzidos para diversas línguas e foram publicados em várias revistas estrangeiras. Uma recolha de três dos seus livros, sob o título Disruption, saiu nos E.U.A, pela editora Durationpress, de Los Angeles.

Traduziu, entre outros, Saint-John Perse (Elogios, 2001, Quasi), Leopoldo María Panero (Poemas do Manicómio de Mondrágon, 2001, Alma Azul), Antonio Gamoneda (Ardem as Perdas, 2004, Quasi), Lautréamont (Cartas de Isidore Ducasse, 2006, Objecto Cardíaco), Baudelaire (Conselhos aos Jovens Literatos, 2006, Objecto Cardíaco), Pedro Marqués de Armas (Cabeças, 2007, Cosmorama), Miriam Reyes (Espelho Negro, 2008, Cosmorama) e uma antologia da Poesia Cubana Contemporânea (2009, Antígona). É um dos responsáveis pela editora Cosmorama e dá aulas de Poética e Escrita Criativa.

JORGE VELHOTE (Portugal)

JORGE VELHOTE nasceu no Porto, em 1954.  Editou: A PAREDE COMO PÁGINA – EXPOSIÇÃO DE POESIA E PINTURA, com Carlos Falcão, Jorge Afonso e Paula Alves, Galeria Alvarez, Porto, 1979; ATRITO DE GOTAS, com José Carlos Soares, ea, 1982; OS SINAIS PRÓXIMOS DA CERTEZA, ea, 1983; HERMENEUTICAL STUDIES, com Amadeu Baptista e Helga Moreira, A Jovem Poesia Portuguesa/2, Limiar, 1985; AS ASAS DE ORVALHO DOS VENTOS, editor da tradução colectiva Poetas em Mateus, do escritor turco Adnan Ozer, Quetzal, 1996; DOURO, UM PECURSO DE SEGREDOS, com João Machado, João Paulo Sotto Mayor, José Braga-Amaral, Instituto da Navegabilidade do Douro, 2000; NA LIBERDADE, Colectânea de Poesia Comemorativa dos 30 Anos do 25 Abril, com Nicolau Saião e Nuno Rebocho, Graça Editores, 2004;  OS MAPAS SEM FRONTEIRAS SUFOCAM OS LUGARES, com fotografias de João Paulo Sotto Mayor, ea/fm, 2004; MÁQUINA DE RELÂMPAGOS, com fotografias de João Paulo Sotto Mayor, Afrontamento Edições, 2005; NUSSUN, com fotografias de Miguel Louro, ea, 2009;

Produziu e realizou Aftershave um programa  radiofónico de jazz (83/87). Criador e produtor do programa QUINTAS DE LEITURA  Teatro do Campo Alegre / Porto (00/01). Organizador e Produtor do Festival de Poesia de Vila Nova de Foz Côa. Organizador e Produtor da Bienal de Arte Contemporânea de Vila Nova de Foz Côa. Assessor literário da revista LUSOGRAFIAS (Instituto Piaget). Publicou poemas em livros, antologias, revistas, albuns, catálogos e jornais em Portugal, Espanha, França, Itália, Brasil, Argentina, México, Uruguai, Colômbia, Estados Unidos, Cabo Verde.

JORGE VIEGAS (Moçambique)

Jorge Viegas nasceu em Quelimane, Moçambique, a 6 de Novembro de 1947. Publicou os livros: “Os Milagres” (1966), “O Núcleo Tenaz” (1982),  “Novelo de Chamas” (1989). Participou nos “Cadernos Caliban” nº1, nº3/4 e na Antologia “No Reino de Caliban 3”, na Antologia da Poesia Moçambicana “Nunca Mais é Sábado” (2004), “Poets os Mozambique” (2006).

NUNO JÚDICE (Portugal)

Nuno Júdice (Mexilhoeira Grande, 29 de Abril de 1949) é um ensaísta, poeta, ficcionista e professor universitário português. Licenciou-se em Filologia Românica pela Universidade de Lisboa e obteve o grau de Doutor pela Universidade Nova, onde é Professor Catedrático, apresentando, em 1989, uma dissertação sobre Literatura Medieval. Conselheiro Cultural da Embaixada de Portugal e Director do Instituto Camões em Paris, publicou antologias, edições de crítica literária, estudos sobre Teoria da Literatura e Literatura Portuguesa e mantém uma colaboração regular na imprensa. Divulgador da literatura portuguesa do século XX, lançou, em 1993, Voyage dans un siècle de Littérature Portugaise. Organizou a Semana Europeia da Poesia, no âmbito da Lisboa ’94 – Capital Europeia da Cultura.

Poeta e ficcionista, a sua estreia literária deu-se com A Noção de Poema (1972). Em 1985 receberia o Prémio Pen Clube, o Prémio D. Dinis da Casa de Mateus, em 1990. Em 1994 a Associação Portuguesa de Escritores, distinguiu-o pela publicação de Meditação sobre Ruínas, finalista do Prémio Europeu de Literatura Aristeion. Assinou ainda obras para teatro e traduziu autores como Corneille e Emily Dickinson.
Foi Director da revista literária Tabacaria, editada pela Casa Fernando Pessoa e Comissário para a área da Literatura da representação portuguesa à 49ª Feira do Livro de Frankfurt. Tem obras traduzidas em Espanha, Itália, Venezuela, Inglaterra e França.

RUY VENTURA (Portugal)

Ruy Ventura nasceu em Portalegre em 1973. Vive na Península da Arrábida, onde é professor. É poeta e tradutor. Publicou os livros: Arquitectura do Silêncio (Prémio Revelação da Associação Portuguesa de Escritores); Sete capítulos do mundo (Lisboa, Black Sun Editores, 2003); Assim se deixa uma casa (Coimbra, Alma Azul, 2003); Um pouco mais sobre a cidade (Villanueva de la Serena, Porticus, 2004); O lugar, a imagem (Badajoz, Editora Regional de Extremadura, 2006); Chave de ignição (Fafe, Labirinto, 2009); e Instrumentos de sopro (Águas Santas, Edições Sempre-em-Pé, 2010).

Participou de diversas antologias de poesia. Colabora com várias revistas nacionais e estrangeiras. Poemas e/ou livros seus estão traduzidos em castelhano, francês, inglês e alemão. Como ensaísta, tem escrito sobre Poesia Contemporânea, Literatura Tradicional e/ou Oral e Toponímia. Mais detalhes da sua bibliografia podem ser encontrados na sua página pessoal.

SIMONE HOMEM DE MELO (Brasil)

Simone Homem de Mello (São Paulo, 1969) é autora e tradutora. Seus poemas em português estão reunidos nos livros Périplos (São Paulo, 2005) e Extravio Marinho (São Paulo, no prelo). Escreveu o libreto das óperas Orpheus Kristall (Munique, 2002), Keine Stille außer der des Windes (Bremen, 2007), UBU (Gelsenkirchen, 2011). Como tradutora, dedica-se à poesia moderna e contemporânea de língua alemã e à obra do escritor austríaco Peter Handke, do qual traduziu Don Juan (narrado por ele mesmo) (São Paulo, 2007) e A Perda da Imagem (São Paulo, 2009). Vive e trabalha em Berlim.

VIRNA TEIXEIRA (Brasil)

Virna Teixeira nasceu em Fortaleza (CE) em 1971. Poeta, tradutora e neurologista. Vive em São Paulo. Tem 3 livros de poemas publicados: Visita (2000) e Distância (2005) pela 7 letras e Trânsitos (2009) pela Lumme Editor. Publicou também os livros de tradução Na Estação Central, do poeta escocês Edwin Morgan (Editora UnB, 2006); a antologia de poesia escocesa Ovelha Negra (Lumme, 2007); Libro Universal, do poeta chileno Héctor Hérnandéz Montecinos, em parceria com o tradutor Vanderley Mendonça (Demônio Negro, 2008) e Cartas de Ontem, do britânico Richard Price (2009). Tem participado em diversas antologias de poesia no Brasil e exterior. Seu livro Distancia foi traduzido e editado no México (Lunarena, 2007) e também teve um livro publicado na Argentina (Fin de siècle, Coleção Chicas de Bolsillo, Universidad de La Plata). Organizou vários encontros nacionais e internacionais de poesia e atualmente é responsável pela Arqueria Editorial, que edita plaquetes artesanais. Escreve regularmente, desde 2004, no blog Papel de Rascunho.